quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Mural de Recados








quarta-feira, 9 de julho de 2014

Esquema de estudo - A origem das diferenças - 2ª série e Etapa II (Ensino Médio)

EEEFM “Professora Filomena Quitiba”
2ª série do Ensino Médio e II Etapa
Professor Dayvid Machado Fernandes – História

RELAÇÕES DE TRABALHO, RELAÇÕES DE PODER E ESTRUTURAS PRODUTIVAS
A ORIGEM DAS DIFERENÇAS

Conceitos básicos:
− Liberdade
Propriedade
− Exploração

As organizações econômicas e as relações de poder:
→ Pré-história – Neolítico – Revolução agrícola
→ Idade Antiga – Produção escravista
→ Idade Média – Produção feudal
→ Idade Moderna e Contemporânea – Produção Capitalista e Socialista

A revolução neolítica e o início da agricultura.
→ O homem torna-se um ser sedentário (moradia fixa)
Domesticação dos animais
− Alimentação e matéria-prima.
− Assistência na produção (trabalho).
→ Com a agricultura o homem passa a ter uma maior garantia da sua sobrevivência.
Evolução tecnológica
− Produção de ferramentas para facilitar o seu dia-a-dia.
− Uso do metal (fundição dos metais).
− Produção de cerâmica.
Excedentes agrícolas – comércio – sistema de trocas.
→ Surgimento de novos ofícios – Divisão do trabalho por especialização.

raiz das diferenças
→ Aumento populacional
 Grandes obras – construção dos canais de irrigação
− Organização do trabalho coletivo – divisão do trabalho intelectual e o trabalho manual.
− Especialistas adquiriram um poder maior.
• O poder começou a se tornar uma propriedade de poucos.
→ Organização do Estado – organização mais complexa.
− Líderes passaram a convocar pessoas para o trabalho, organizar um exército, fazer leis e cobrar impostos.
− Surgimento da nobreza (privilégios).

− O estado tornou uma arma de domínio de classe da aristocracia (nobreza).

Clique no link abaixo e faça o download em PDF

Esquema de estudo - A civilização do açúcar - 2ª série e Etapa II (ensino médio)

EEEFM “Professora Filomena Quitiba”
2ª série do Ensino Médio e II Etapa
Professor Dayvid Machado Fernandes – História

RELAÇÕES DE TRABALHO, RELAÇÕES DE PODER E ESTRUTURAS PRODUTIVAS
CIVILIZAÇÃO DO AÇÚCAR

→ Os árabes apresentaram o açúcar a Europa Medieval.
− A especiaria era tão rara e apreciada que chegou a ser presente de casamento de princesas.
→ Século XV – os portugueses começaram a plantar cana e fabricar o açúcar na ilha do Atlântico – em Açores e Madeira – trabalho escravo.
− Primeiro financiado por banqueiros genoveses (italianos) – que revendiam o produto na Europa – e depois pelos holandeses (século XVII).
→ O açúcar foi importante para a nossa história – por causa dele, os portugueses resolveram colonizar o Brasil.
− No litoral do Nordeste as chuvas são boas, o clima era quente e existe um ótimo solo de massapé – esse clima tropical era a riqueza que não existia na Europa.
− Nos séculos XVI e XVII – o Brasil era o maior produtor mundial de açúcar.

→ Principais produtoras – capitanias da Bahia e de Pernambuco – também se produzia no Rio de Janeiro em São Vicente (hoje São Paulo).
→ O açúcar era produzido principalmente nos engenhos.
− Além dos engenhos também havia uma quantidade grande de propriedades menores.
− Nos engenhos havia uma vasta plantação de cana e um galpão onde se moía a cana se cozinhava o caldo e, finalmente, se produzia o açúcar.
− Havia outras instalações na área do engenho.
• A casa grande
• Senzala
• As máquinas dos grandes engenhos, que eram produzidas na Europa – eram importadas de Portugal, da Holanda e depois da Inglaterra.
• Nos engenhos raramente produziam o que necessitam – por isso desenvolveu-se uma agricultura voltada ao abastecimento dos colonos.
∟ Pequenos fazendeiros plantavam mandioca, milho, e feijão e vendiam nas cidades e nos engenhos.

 Os pés e as mãos do senhor de engenho
Quase tudo era feito pelos escravos – por isso eram chamados de pés e mãos do senhor.
− O senhor de engenho também era servido por homens livres e pobres.
• Conduziam os barcos cheios de sacas de açúcar.
• Cuidavam dos cavalos.
• Vigiavam os escravos
• Alguns funcionários recebiam altos salários – técnicos e administradores do açúcar.
∟Geralmente vinham da Europa: instalavam e consertavam as máquinas – orientavam os escravos para que fizessem o açúcar com a melhor qualidade – administravam a propriedade.

 A desigualdade social
− A desigualdade social do Brasil nasceu no Nordeste açucareiro.
•  Os senhores de engenho não eram os únicos ricos do Nordeste açucareiro – existiam os grandes comerciantes, que importavam e exportavam mercadorias e traziam escravos da África para serem vendidos no Brasil.
•  A baixo da elite colonial, vinha uma multidão de homens livres e pobres:
∟ Pequenos proprietários de terra, artesãos (carpinteiro, sapateiro, alfaiate, açougueiro, etc.), pequenos comerciantes.
Agregados – homens livres que recebiam autorização para estabelecer uma rocinha porque prestavam serviços aos fazendeiros (capataz, feitor, carpinteiro, etc.).
•  Abaixo de todos estavam os escravos, que exerciam o principal papel produtivo do engenho

Clique no link abaixo e faça o download em PDF
http://www.4shared.com/office/efY8rBaRce/Civilizao_do_acar___2_ano_e_Et.html

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Material de estudo - 3ª série - Ensino Médio

Faça o download dos seguintes esquemas:

- Imperialismo
- Primeira Guerra Mundial
- Crise de 1929
- Nazifascismo e Segunda Guerra Mundial
- Guerra fria

Os esquemas foram postados no formato PDF

Clique no link abaixo e faça o download
http://www.4shared.com/rar/Aea0rnllba/Material_de_estudo_-_3_srie_-_.html 

Esquema de estudo - 3ª série - Ensino Médio - Imperialismo

EEEFM “Professora Filomena Quitiba”
3ª série do Ensino Médio
Professor Dayvid Machado Fernandes – História

A IMPOSIÇÃO DO MODELO CIVILIZATÓRIO EUROPEU NA ÁFRICA E NA ÁSIA

Ação imperialista: “o fardo do homem branco”
Segunda metade do século XIX ao início da Primeira Guerra Mundial = competição imperialista.
Mão de obra barata / mercado consumidor / matéria prima
1870 a 1914 – partilha do mercado africano e asiático.
Imperialismo justificado – missão civilizadora.
Processo de neocolonialismo – se comparado a expansão marítima dos séculos XV e XVI.
Surgimento do capitalismo financeiro = surgimento dos trustes e holdings.

O domínio europeu sobre a África: expansão e resistências
Diversidade étnica, cultural e linguística.
Mesmo com toda essa diversidade, os europeus designavam os povos africanos como etíopes (terra dos homens de pele negra).
Século XIX – Conquista dos territórios africanos = destruição das estruturas tradicionais.
Propriedade coletiva e trabalho comunitário.
Confisco das terras.
Imposição de tributos.
Desenvolvimento de ferrovias, extração de matérias-primas e recursos naturais.
Imposição do trabalho compulsório remunerado com produtos, ou com míseros salários.
Distribuição desigual (território africano) = aumento da rivalidade política (países europeus).
O domínio não foi admitido de forma passiva.
Guerra dos Bôeres – África do Sul – Século XIX. (Inglaterra)
Controle do Canal de Suez – Egito – 1875. (Inglaterra)

O domínio europeu sobre a Ásia: expansão e resistências
Domínio imperialista do Estado chinês – região mais cobiçada pelas potências internacionais.
Política do Break-up (retalhamento).
Política do Open Door.
Guerra do Ópio – 1839 a 1842.
Primeira Guerra do Ópio (1839-1842).
Combate ao tráfico = destruição de 20 mil caixas – os britânicos envolvido foram expulsos.
China derrotada pela superioridade militar inglesa.
Tratado de Nanquim (1842)
A china foi obrigada a abrir alguns portos aos produtos ingleses.
O governo teve de reconhecer o direito de extraterritorialidade dos cidadãos ingleses.
Foi reconhecida a Inglaterra o regime de protetorado sobre a ilha de Hong Kong.
Segunda Guerra do Ópio (1856-1860)
Pretexto – Oficiais chineses abordaram e revistaram o navio de bandeira britânica Arrow.
A China foi derrotada novamente.
Tratado de Tientsin (1848)
Permitiu o livre trânsito de mercadores e missionários europeus.
Revolta Taiping- movimento de caráter messiânico-(1851-1864)
Exigiam a queda da dinastia Manchu – a instalação de um governo popular.
A execução da reforma agrária.
O fim da presença estrangeira no país.
A guerra que durou 13 anos e provocou a morte de milhões de civis e militares, cuja repressão contou com o apoio dos ingleses e norte-americanos.
Revolta dos Boxers- Organização xenofóbica punhos da justiça e da concórdia-(1900-1901).
Destruição das obras associadas aos interesses do capital estrangeiro.
Século XIX – Liga Revolucionária da China – liderada por Sun Yat Sem – depois conhecida como Kuomitang (Partido Nacional do Povo).
Provocaram a queda do regime monárquico – proclamação da República (1911).

Clique no link abaixo e faça o download

terça-feira, 1 de julho de 2014

Esquema de estudo - 3ª série - Ensino Médio - Primeira Guerra Mundial

EEEFM “Professora Filomena Quitiba”
3ª série do Ensino Médio
Professor Dayvid Machado Fernandes – História

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914 -1918)

A força do capital e a cultura da prosperidade
Belle Epoquê – final do século XIX e início do século XX.
Conquistas: Eletricidade e a velocidade.
Exposição Universal de Paris–Abril de 1900-demonstração do progresso e da prosperidade.
Corrida imperialista – disputa entre as grandes potências por áreas coloniais.
Matéria-prima.
Mão de obra barata.
Mercado consumidor.
Corrida armamentista – A Paz Armada.

Causas da guerra
Nacionalismo ou Chauvinismo.
Pangermanismo: todos os povos germânicos deveriam se unir e formar uma só nação na Europa.
Revanchismo francês: revanche contra os alemães – retomada do território da Alsácia Lorena perdido em 1871.
Nacionalismo inglês: orgulho da população inglesa por ser a principal potência econômica mundial.
Pan-eslavismo: a Rússia se colocava na qualidade de “grande irmã eslava”– tinha o dever e o direito natural de proteger as pequenas nações eslavas dos Bálcãs.
Nacionalismo sérvio: pretensão da Sérvia de unir a Bósnia - e outros povos eslavos dos Bálcãs para a formação da Grande Sérvia.
Alianças às vésperas da Primeira Guerra Mundial.
Tríplice Aliança: Império Alemão / Império Austro Húngaro / Itália.
Tríplice Entente: Inglaterra / França / Império Russo.

As Ilusões desfeitas no palco da guerra – O início da guerra.
O estopim da guerra – 28 de junho de 1914.
Assassinato do herdeiro do trono austro-húngaro - Francisco Ferdinando.
A Áustria-Hungria declarou guerra a Sérvia em julho de 1914.
Imediatamente o sistema de alianças começou a funcionar – em poucos dias as grandes potências da Europa estavam em guerra. 

Clique no link abaixo e faça o download

Visitas